Dra. Bianca Magnelli CRN: 36937

"Dietas "milagrosa"


nutricionista esportivo

As dietas da moda se destacam pelo grande impacto impressionando o público leigo e, na maioria das vezes, pela inexistência de avaliação científica quanto a sua veracidade.

A chegada das temperaturas elevadas é o motivo para a busca de respostas rápidas a fim de perder gordura corporal e alcançar a tão desejada forma física. Cabe salientar que a perda de gordura não necessariamente repercute em perda de peso. Por isso, é equivocado utilizar a perda de peso como sinônimo de redução de gordura corporal.
Algumas dietas então enfatizam, por exemplo, a redução do consumo de alimentos ricos em carboidratos, como pão, massas, cereais etc. Quando é realizada esta manobra, os efeitos são: redução de peso de aproximadamente 4 kg em uma semana, aumento da produção de corpos cetônicos (o indivíduo fica com um forte cheiro de acetona, principalmente no hálito) e apresenta, em geral mau humor.
Este processo, apesar de repercutir em perda de peso, ocorre pela acentuada redução do conteúdo de glicogênio muscular. O glicogênio é a forma que estocamos carboidrato em nosso corpo. Ele é mantido na proporção de um grama de glicogênio para três gramas de água. O conteúdo total médio de glicogênio corporal entre fígado e músculos é da ordem de 1 kg. Ao fazer a conta, verifica-se que o peso perdido pelo indivíduo ao comprometer o consumo dos alimentos descritos perfaz o total glicogênio mais água, ou seja, 4 kg.
E o glicogênio é a fonte principal de energia em corridas desde o 1,5 km até a maratona e o corpo pode armazenar somente uma quantidade limitada de glicogênio. Essa quantidade de armazenamento depende do nível de condicionamento, o quanto a pessoa está descansada e a quantidade de carboidratos que comeu nos três ou quatro dias anteriores à corrida.
Esta manobra não é recomendada, pois teremos como resultado a perda de grande conteúdo de glicogênio com pequena redução de gordura. Comumente, esta manobra produz como resultado a famosa “flacidez”, pois teremos redução do tônus muscular pelo menor conteúdo de glicogênio. A “flacidez” é a mostra de que o maior conteúdo de gordura permaneceu e o tônus muscular se perdeu.
Para redução da adiposidade e manutenção do tecido muscular, o mais importante é manter uma quantidade adequada de carboidratos nos alimentos consumidos e, além disso, procurar o fator que determinou o aumento de gordura corporal. Lembrando que estratégias que visem reduzir a gordura e que não passem pela mudança de hábitos alimen- tares e a incorporação da atividade física regular devem ser cuidadosamente consideradas. A obesidade é a conseqüência do aumento progressivo da gordura e possui origem multifatorial que deve sempre ser considerada.



Texto elaborado por: Bianca Magnelli Nutricionista Esportiva, graduada pela Faculdade de Saúde Pública da USP

visite o site http://www.nutricionistasp.com